Let it be †

Let it be †
All Mota
Todos os textos escritos neste blogue são escritos pela autora, caso contrário estão devidamente identificados. Agora sobre mim? Bem, sou portuguesa, tenho uma irmã gémea, tudo o que aqui escrevo tem um motivo, uma razão e um porquê e em cada um é diferente, tenho um auto controlo de nível médio, mas em termos de confiança supero-me, tenho gostos e desgostos como toda a gente e de cada erro que cometo levo de cada um uma aprendizagem, sou uma pessoa calma, mas também tenho os meus momentos de loucura e também me torno bastante impaciente quando tem que ser. Sou altruísta e detesto-me por isso, defendo que nem todos os irmãos têm de ser de sangue, e como sempre quis ter um irmão da minha idade e outro mais velho tornei o meu desejo realidade. Adoro estar nos braços de um rapaz, mas tudo tem um fim e tudo acaba bem, e se não acabou bem, é porque ainda não chegou ao fim. xo-xo

† facebook † tumblr † seguir-me
02.2011 03.2011 04.2011 05.2011 06.2011 07.2011 08.2011 09.2011 10.2011 11.2011 12.2011 01.2012 03.2012 04.2012 05.2012 07.2012 11.2012 02.2013
layout : drivefaraway
icon : violetbirdy
sentimento incolor
Saturday, October 8, 2011 @ 8:22 PM | comment (74)




Era fim de Agosto quando tudo começou. Começou a "descoloração" daquela amizade a que chamávamos colorida. Não houve distância, houve afastamento, o tempo que nos mudou todos aqueles planos que tínhamos, era o "viveram felizes para sempre" mais certo que eu alguma vez tivera, mas chegou a hora daquele "até já" para nós, penso em ti e em mim, em nós, o que fomos. Recuei nas nossas memórias, será que tudo isso vai voltar algum dia? Ninguém o sabe. Era um sonho? Sonhos é para quem está a dormir, mas penso a toda a hora no "nós", o sentimento está lá, ainda está aqui bem presente tal como todas aquelas recordações que ficaram no passado e que nunca mais voltarão, ficaram num baú chamado coração. No outro dia deparei-me com uma questão «És feliz?» e haviam 3 possíveis respostas : sim, não e mais ou menos, respondi à terceira opção, a culpa é tua. Porque é que te aproximaste tanto de mim? Agora sempre que te vejo fico sem respiração e choro, vens falar comigo a querer saber o que se passa mas digo sempre a palavra errada "nada", dissemos que íamos com calma e que íamos lutar, não quero estragar o que temos mas estou cansada de lutar, apareces sempre nos meus sonhos, um beijo teu reconforta-me como nunca outro me reconfortou. Não quero obrigar-te a nada, só sei que preciso de ti antes que o mundo acabe, nunca direi ou farei a palavra proibida "deixar-te", volta para mim. O teu sorriso faz-me lembrar que podíamos ter tudo, mas esse tudo mal começou, tiveste o meu coração nas tuas mãos mas quiseste devolve-lo, deste-mo de volta. end.



Older Posts & Newer Posts